Elaboração de projetos culturais, palestras, oficinas, curso, animação de aniversários infantis.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Direção do Conselho de Cultura


Ver. Paulinho de Vitor e Amilton Lima
Estivemos reunidos na manhã desta quinta, 28, às 10h, no Salão de eventos da SEMTHAS, em Janduís para escolher a direção do Conselho Municipal de Cultura.

Em rápida conversa, ficou escolhido Amilton Ferreira de Lima (Presidente), Wigna Brito de Souza (Vice-presidente) e Joelma Meneses (Secretária). Sucesso a todos da nova composição.

Fato curioso nas redes sociais



http://supergifs.net/recados/proverbios-franceses/1.gif

Pra algumas figuras que se acham acima do bem e do mal e que já sabem tudo na vida, fica uma dúvida bastante contraditória ao que se pregam enquanto seres. Caráter, ideologia, posicionamento, criticidade andam de vento e polpa.

O curioso, é que sempre que há uma carapuça por trás disso tudo quando se trata de opinião pública nas redes sociais. E geralmente em época de Eleições inventam blogs, orkuts, twitters e facebooks com outros nomes pra expressar algo.

Depois, dizem que o povo é burro, analfabeto e que políticos não os farão de idiotas. Afinal, um bom debate não seria mesmo as claras?? Concluo que nesse angu tem caroço e dos grandes.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

O adeus ao nosso Vaporzão


Antigo Vaporzão em reforma (Foto Toinho de Helena)
Comecei minha vida cultural em Janduís, no ano de 1993, junto com o professor J. Rhuann. Nossos ensaios de poesia e teatro eram sempre no Vaporzão, antiga creche da cidade.
 
Já nos meados de 1996, motivado por Marcoseul Vieira, encampei na carreira de palhaço e nossos ensaios aconteciam sempre no Vaporzão. Era um verdadeiro celeiro de ensaios e artistas da cidade.

Assim foi em 1999 com o grupo de dança e os demais artistas que ensaiavam música, capoeira, karatê, quadrilha, reuniões e muitas coisas boas. Nosso destino era sempre o Vaporzão.

Com o infeliz projeto das Casas de Cultura no Rio Grande do Norte, que até aqui só serve de cabide de emprego e disputas políticas nas cidades, o sonho de dias melhores não nos trouxe alegria.

Enquanto artista, fiquei sem meu abrigo preferido de ensaios, que embora reformado já estava sob controle do Estado e nada de extraordinário tem acontecido. Quem me dera ter de volta o meu Vaporzão com morcegos e com todos no comando.

O significado da Casa de Cultura pra Janduís


Porta principal é segura com pedras e um pau
A sede da Casa de Cultura em Janduís, teve endereço certo após reforma do prédio Vaporzão que começou em 2005 , concluída em 2006. Aos olhos dos artistas era de encher o peito de orgulho e alegria.

Contudo, várias datas de inaugurações foram marcadas e o Governo do RN nunca deu prioridade a Janduís, embora tivesse em momento afinado com a administração municipal. E ainda continua, sem inaugurar.

Estive Agente da Casa, e confesso que faltou muito, apesar de viabilizar o necessário como ter os artistas ensaiando, eventos, reuniões e a boa utilização do espaço. Além de trazer um Ponto de Cultura pra melhorar as ações.

Mesmo assim, caímos numa disputa desinteressante que nada acrescentou aos trabalhos da Casa e a mesma continuou e continua como está: sem ação, sem rumo nem direção. É um caso sem solução, não há interesse do Estado na Casa de Cultura de Janduís. Se passaram quase 8 anos e nada de novo.

Já tive disputas pela Casa de Cultura na tentativa de ver tal espaço com alegria, oficinas, funcionando como sempre sonhamos. A cada dia o espaço se afunda em ruínas físicas, humanas, estruturais e principalmente política.

Nesses 20 anos na Casa de Cultura, mesmo ainda quando era Vaporzão, por uma questão de bom senso, vejo que é em vão lutar por uma coisa que será sempre uma “Casa da Discórdia”.

Entra Governo e saí Governo e enquanto não houver uma repactuação municipal com artistas e poderes integrados, um plano de Estado, o semblante da Casa da Cultura será o mesmo.

E quem assume a função de agente de cultura em Janduís, por melhores intenções que tenham, terá sempre o entrave político e má fé pelos Governos. É preciso revolucionar a forma como é conduzido um espaço cultural conquistado por todos.

A menos que os Governos do Estado prove o contrário em ações, diria o contrário.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Nosso papel numa disputa de Poder


A cada quatro anos a comunidade janduiense, assim como, as mais de cinco mil cidades do país, tem nas mãos a oportunidades de escolher seus governantes, dando-lhes o pleno poder de decisão pelas coisas boas ou ruins que venham a acontecer.

É natural a aglutinação em partidos políticos, grupos comunitários, amigos. Mas, nem sempre temos conosco todos que confortavelmente desejamos. É uma habilidade de atrair as pessoas de acordo com o grau de comprometimento com o projeto em pauta.

É aí, onde mesmo em pequenos episódios, há pessoas que se enchem de ódio, alucinações e fanatismo. Perde o sentido da ação, se ridiculariza diante de um momento passageiro e reencontrável na próxima parada da condução.

Aprender sempre a lhes dar com as questões opostas aos nossos desejos pessoais é ter consigo cada vez mais uma lição de vida. Aprender a ser forte é entender que ainda teremos muitos desafetos e incompreensões.

Em 2012, estou no projeto do PT com Nailka e Raimundo. Ao mesmo tempo com muito respeito aos que optam por outras opções políticas. O respeito é sempre a chave do bem estar numa disputa tão importante como essa de 2012.

A Convenção do PT e aliados


Prefeito Salomão Gurgel, Nailka e Raimundo
O último domingo, 24 de junho, a Casa da Música em Janduís, ficou lotada. As pessoas vinham todos os lados da cidade prestigiar a Convenção do PT, PCdoB, PMN e PRB, que começou por volta das 17h e findou às 20h.

Em meio às várias manifestações de alegria, o eleitor se dizia satisfeito com a chapa Nailka e Raimundo e com as candidaturas postulantes a Câmara Municipal. O conjunto de idéias das partes culmina com o todo.

Dessa forma, partimos pra uma campanha eleitoral em 2012 apostando muito mais no projeto de governo pra Janduís. Nesse projeto, almejo a disseminação da cultura, esporte, educação, saúde, habitação e lazer. 

Aposto na continuação do trabalho que vem sendo desenvolvido, aprimorado e com protagonismo da comunidade.

A luta não pode parar


Momento no Escambito Raízes - abril de 2012
Uma certa parada no Movimento Escambo Livre de Rua. Grupos, artistas e produtores estão cada qual em suas ações: uns em movimentos e outros em relaxamento.
 
Pela região Oeste do RN temos puxado a discussão e insistido na permanência das ações públicas de rua, nas atividades coletivas. Contudo, tivemos a oportunidade de nos encontrar por duas vezes este ano. No mês de março, Campo Grande e em abril, Janduís.

Há uma falta de motivação causada pela migração de pessoas, pelas opções de trabalhos que afastam os principais puxadores de atividades. Partindo pra analise local, acredito que Janduís ainda terá um movimento forte e comprometido.

É natural a fase que os grupos e artistas vêm apresentando. Este ano é um ano de eleições municipais em todos os municípios brasileiros, o que deixam as pessoas super antenadas as suas decisões políticas.

A cidade de Messias Targino, manifestou realização de encontro no mês de agosto e Governador Dix-Sept Rosado em setembro. Já o encontro do Escambo está previsto pra julho de 2013, em Rosário, Argentina.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Janduís e seus 50 anos


Janduís completou seus 50 anos dia 12 de junho de 2012. Nesse tempo todo, tenho me dedicado pelo menos 19 anos junto aos companheiros da Cia. Ciranduís, grêmios estudantis, Grupo de Jovens da Igreja, Danças e muitos outros.
 
Aqui ajudamos a construir uma sociedade cultural, acolhedora e acima de tudo aguerrida e forte. Apesar de suas dificuldades, Janduís é uma das melhores cidades do Estado para viver.

Apensar de ser natural de Campo Grande/RN, foi aqui onde minei terreno, construí amigos, família e um legado que jamais será apagado da história que é a boa índole e as boas amizades conquistadas.

Espero estar presente nos próximos 50 anos pra poder presenciar com muito orgulho a geração cultural que época terá o prazer de manter viva essa chama acesa há duas décadas.